Essa tal liberdade

Foi em um dia comum, de decorrer da semana, que a liberdade veio. Não esperou final de semana, não esperou véspera de feriado, apenas veio. Não foi pessoalmente, não foi através de uma carta nem sinal de fumaça, foi por telefone, mas o importante é que veio. E com isso evitou ficar aquele olhar de quem vai, ou não, voltar. Olhar este que, dependendo da situação, pode trazer esperança ou desapontamento. No meu caso, a falta dele trouxe a esperança, já a tanto esperada, da queda de uma maldição que, dela, há meses queria ver-me liberto. Então, por mais que tenha deixado um aperto, até então incessante, no peito, não fez escorrer lágrima alguma, mas sim um sorriso e um suspiro de alívio. Das outras vezes que a liberdade chegou ou fui atrás, esse olhar fodia com tudo, pois trazia esperança de que poderia mudar para melhor se conseguisse pular aquele obstáculo. Aumentava a confiança na pessoa e diminuía quanto ao que ela era capaz de fazer.

Liberdade… Nunca a quis, totalmente, mas agora… Mais do que nunca… Parece o mais propício a se ver como o certo. Por mais que já tenham surgido novas aventuras, oportunidades para algumas outras e rádios parados no horário do Good Times, não há vontade de ficar quando estou 100% são. A temporada atual é de só ser pego em dias que as nuvens se fecham no céu e alguém as pinta de cinza. Mas em dias assim, mesmo que a chave principal suma há sempre uma reserva para fechar a porta do quarto, que se torna refúgio das mais singelas boas intenções, que agora ficam penduradas no armário como aquele conjunto formal que, sabe-se lá quando vai usar novamente para ir a outro casamento.

Às vezes as pessoas se perguntam sobre o amor… Amor hoje em dia é esse que muitos fazem com a mão: um buraco vazio no meio. Parece que esse é mais levado a sério do que aquele que não se faz com a mão, mas que realmente se sente sem pensar em reciprocidade. Amor pode ser uma faca de dois gumes, principalmente para pessoas que se enquadram na seguinte fórmula: idiota e/ou burra e/ou fraca e/ou pessimista e/ou egoísta e/ou materiais e/ou etc. Então, cuidado… Muito cuidado… Ao cortar alguém você pode estar cortando apenas a si mesmo, que é o que acontece na maioria dos casos. Por isso que, por enquanto, antes de ver alguém se cortando e pra não cortar ninguém sem querer, vou preferir essa tal liberdade.

Anúncios